20 setembro 2007

o abismo dos olhos

Disse-me que se destruiria de um modo belíssimo. E que eu veria fogos e luzes onde os outros encontrariam apenas mapas, lembranças, vozes e datas. Era fascinado por um relógio, pequeno, daqueles de bolso. Nessas horas tomava-o nas mãos fitando-o por minutos a fio. Meus pensamentos assumiam uma forma centrífuga e sempre acabavam num ponto, que se abria, se alargava e se tornava um fosso, mas não assustava. Sentávamos a sua borda e batíamos no fundo escuro a cinza de todos os cigarros. Batíamos ali todas as cinzas e, de repente, acabava. E não era exatamente uma paz aquilo, não seria esse o nome, caso houvesse um. Era um olho aberto. E houve uma época em que havia um espelho, cravado de olhos secos, finos como uma membrana.

Vê-lo ruir de forma tão purulenta não doeu metade do que dói agora a imagem daquele relógio.

2 Comments:

At 6:43 PM, Anonymous Maressa said...

Belíssima a imagem do fosso e das cinzas...

beijo terno

 
At 6:16 AM, Blogger beto,,, said...

é...
é.

 

Postar um comentário

<< Home